Yoga

Yoga é uma filosofia prática originada na Índia muitos séculos atrás. O termo (em sânscrito योग) pode ser traduzido como método ou procedimento, o que remete ao conjunto de técnicas que compõem o que hoje se costuma chamar de yoga.

O Yoga é também uma das seis escolas filosóficas ortodoxas do Hinduísmo e ao mesmo tempo o estado que se pretende atingir através da prática e do estudo de suas técnicas e tradições.

Yoga significa transformar a consciência humana em consciência divina -- conforme o vocabulário do Hinduísmo, significa unir Atman (o Eu superior, porém ainda individualizado) e Brahman (o Absoluto, o princípio de todas as coisas). Praticar o yoga significa buscar sua própria essência, imutável e atemporal, algo que independe das oscilações do corpo e da mente.

Om, um dos símbolos do yoga


Entre os tipos de yoga mais conhecidos, os principais são o Raja Yoga e o Hatha Yoga. O Raja Yoga é o yoga sistematizado por Patañjali em seu Yoga Sutras, obra escrita aproximadamente quatrocentos anos a.C. Nesta obra Patañjali divide o yoga em oito angas (partes ou degraus):

1) Yamas são restrições morais que determinam não apenas nossos atos, mas também as palavras e os pensamentos. Conforme Patañjali, o yoga possui cinco yamas: ahimsa (não-violência), satya (verdade, autenticidade), asteya (não cobiçar, não roubar), brahmacharya (contenção, dedicação dos atos ao divino), aparigraha (desapego).
2) Niyamas são princípios ou “observâncias” que regem nossa conduta inclusive com nós mesmos. São eles: saucha (pureza do corpo, da mente e do espírito), santosha (contentamento, gratidão), tapas (disciplina, perseverança), swadhyaya (autoexame, autoestudo), ishvarapranidhana (o reconhecimento de um princípio único e transcendente)
3) Asanas são as posturas físicas do yoga, que têm como objetivo preparar o corpo para os angas seguintes, sobretudo os antarangas, que exigem estabilidade física duradoura
4) Pranayamas são as práticas de controle da respiração e de cultivo do prana (energia vital)
5) Pratyahara é o último estágio das práticas externas (bahirangas), comumente traduzido como retração dos sentidos, visa afastar a consciência do turbilhão de imagens e estímulos do exterior.
6) Dharana é a concentração duradoura da mente, a capacidade de focalizar mentalmente um objeto e manter esta concentração por longo tempo
7) Dhyana costuma ser traduzido como meditação, embora transcenda aspectos comumente associados a esta prática
8) Samadhi é a fusão do indivíduo com o Absoluto, estado em que os pensamentos são neutralizados

Esta divisão clássica do yoga em oito partes também também é conhecida como ashtanga sadhana (ashta=oito; anga=parte; sadhana=prática).



Hatha Yoga

Entre os ramos do yoga, o mais conhecido é o Hatha Yoga (em sânscrito हठयोग). Por estar associado às práticas físicas de asana (posturas) e pranayama (exercícios de controle da respiração), o Hatha Yoga é também conhecido como “yoga do corpo”. Tal associação não é totalmente equivocada, embora isto leve muitas pessoas a acreditar que o objetivo do hatha yoga é o aprimoramento físico. “Yoga do corpo” é expressão que deve ser compreendida cuidadosamente e que reflete apenas o ponto de partida para a longa jornada para a descoberta do Eu.

Padmasana, uma das posturas mais importantes do yoga

Tradicionalmente, o Hatha Yoga é constituído de disciplinas éticas e morais, posturas físicas, procedimentos de purificação (shatkarma ou kriya), selos corpóreos (os mudra, que combinam posturas, visualizações e travas corpóreas), respiração yogi (pranayama) e meditação.

Conforme a anatomia esotérica do yoga, o corpo possui sete chakras ou (centros de energia vital). O bom funcionamento desses centros garante a saúde física, mental e emocional. Estes chakras são ativados pela respiração, pela alimentação, pelos movimentos e posturas físicas e pela meditação. Um dos objetivos do Hatha Yoga é garantir que essa ativação se dê da forma mais natural e eficiente possível. Por este motivo, muitas das práticas do Hatha Yoga visam permitir a melhor absorção do prana (energia vital presente na natureza) e a livre circulação dessa energia pelo corpo.

Representação simbólica dos principais chakras

Segundo a tradição tântrica, donde se originou o Hatha Yoga, a maior parte do prana é recebido pelo corpo através da respiração. O prana é absorvido por dois canais cujo início coincide com as narinas. Estes canais são chamados nadis; eles fazem o prana descer até o primeiro chakra, situado no períneo e chamado muladhara. A boa saúde deste primeiro centro de energia faz com que o prana ascenda para os outros chakras através de um canal de energia chamado sushumna. Em pessoas normais, o prana chega livremente ao primeiro chakra. Raras pessoas no entanto conseguem realizar a ascensão do prana até o último chakra, o sahasrara, situado no topo da cabeça. Um dos objetivos do hatha yoga é permitir que o prana flua naturalmente por todo o corpo e ascenda até o sahsarara, o que, conforme explica a tradição, despertaria poderes adormecidos e levaria o indivíduo à libertação (moksha) de suas amarras mundanas e à percepção de sua verdadeira essência.

*

Nota

Modernamente, o Hatha Yoga tem sido associado a práticas leves e brandas que têm como objetivo tornar o corpo mais leve e flexível e descansar a mente. No entanto, isso não corresponde à realidade e às origens do Hatha Yoga. Como dito acima, o objetivo do Hatha Yoga não depende do tipo de prática física, não depende desta ou daquela postura, mas de que forma essa prática física integra-se ao sadhana, isto é, à prática do yoga como um todo.

Via de regra, pode-se estabelecer que se o método proposto reserva um tempo significativo para a prática de asanas, então trata-se de Hatha Yoga. Conclui-se, assim, que a maior parte dos métodos modernos são, na verdade, variações do Hatha Yoga que, portanto, podem ser melhor compreendidas à luz da prática e do estudo da tradição de Svatmarama, Gheranda, entre outros mestres nathas que sistematizaram o Hatha Yoga.

4 comentários:

Anônimo disse...

Nos diálogos das práticas do Yoga até parece um simples preâmbulo do bem-estar, mas na verdade existe uma prática corrente na nossa vida em querer viver de verdade bem e não num pequeno espaço da vida daquele que deseja ser feliz. - Belo trabalho, este site me abriu um novo horizonte sobre a prática do yoga.

Mendes

Christian Rocha disse...

Obrigado, Mendes. Seja bem-vindo.

ॐ Joana Reis - Fitness e Wellness ॐ disse...

Namaste....esse trecho é do livro "Curso Basico de Yoga"?? Gerson Dd`adio ?Acho que li palavras semelhantes no capítulo de Introdução..

Christian Rocha disse...

Não conheço esse livro, Joana. O texto é de minha autoria.